CADASTRE seu CURRÍCULO na ACTIO para está disponível para as MELHORES Vagas...

"FAÇA O SEU MELHOR NAS CONDIÇÕES QUE VOCÊ TEM, ENQUANTO NÃO TEM CONDIÇÕES MELHORES PARA FAZER MELHOR AINDA" - Mario Sérgio Cortella / "QUEM QUER FAZER ALGO, ENCONTRA UM JEITO, QUEM NÃO QUER ENCONTRA UMA DESCULPA" - Provérbio Árabe

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Curtos Períodos Dentro de Empresas Prejudicam um Profissional?


Érica Nacarato

De acordo com a pesquisa “A Contratação, a Demissão e a Carreira dos Executivos Brasileiros 2009″, realizada pela Catho Online, 89,3% dos presidentes e diretores de empresas têm alguma restrição a profissionais que passam curtos períodos dentro de cada corporação. Você concorda que passagens curtas por empresas acabam depondo contra o profissional na busca por uma nova oportunidade? Por que?

“Durante o processo de contratação, sabemos que diversos aspectos são levados em consideração. Sem sombra de dúvida, o histórico profissional é um dos temas de maior relevância, pois é por meio dele que podemos avaliar o desenvolvimento do profissional no decorrer de sua carreira. Quando nos deparamos com passagens curtas de um profissional entre uma empresa e outra, devemos antes de mais nada entender e avaliar os motivos apresentados por este, para posteriormente tomar uma decisão.

Não diria que este ponto imediatamente poderia depor contra o candidato na busca de uma nova oportunidade se for um fato isolado, mas, com certeza, levantará uma “bandeira amarela”. É claro que se observamos o histórico e este tipo de comportamento for constante, pode depor contra o profissional, pois pode transmitir falta de comprometimento e não aderência à empresa.

Desta forma, todo profissional deve sempre zelar por sua conduta dentro das organizações e refletir com cuidado sobre suas decisões. Situações como aceitar ou não uma proposta, quais são os fatores que devem ser considerados para mudar ou não de emprego, etc. É importante ter sempre em mente que seus valores e conduta serão sempre avaliados. Deixar uma marca e um legado positivo é sempre a melhor alternativa”.

Deborah Toschi, gerente da área de Recursos Humanos da T-Systems.

“Entendo que profissionais jovens, em início de carreira e que sejam ambiciosos desejam o reconhecimento no curto prazo.

Isso faz com que muitos jovens, de alto potencial e boa formação acadêmica, recebam ofertas tentadoras do mercado e se sintam impulsionados a mudar de empresa diversas vezes em um curto espaço de tempo.

Entretanto, a partir da conquista de uma determinada senioridade, o profissional passa a ter em sua carreira desafios mais complexos, que fazem com que o ciclo para o alcance de resultados seja maior. Profissionais em nível executivo são responsáveis por projetos ou processos que demandam um maior tempo de maturidade para o adequado reconhecimento de resultados.

A tomada de decisão de profissionais com elevado nível de senioridade pode demorar de três a cinco anos para frutificar.

Em minha opinião, diversas passagens curtas por diferentes empresas é considerado normal para um profissional em início de carreira, especialmente se ele realizou trocas por propostas mais interessantes e desafiadoras que contribuíram para o aumento de sua empregabilidade.

Em uma carreira mais consolidada, o que se quer de um profissional é saber quais foram os resultados conquistados que dependeram exclusivamente dele, e isso só é possível quando existe uma relativa estabilidade. É esperado destes profissionais que eles saibam lidar com as adversidades e conquistar resultados apesar dos obstáculos encontrados”.

Denise Bulhões, superintendente de Recursos Humanos da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário.

“Quando o nosso RH decide entrevistar candidatos que tiveram uma passagem curta nas últimas empresas nas quais trabalharam, é porque, em algum aspecto, a experiência e o “estofo” do candidato sobressaíram à sua instabilidade, uma informação quase sempre negativa. Procuramos realizar uma análise criteriosa dos dois lados: o do aspirante à vaga e os motivos da antiga contratante. Sabemos que o mercado se recicla rapidamente e que, às vezes, é difícil adequar talentos diferentes num ambiente profissional tão competitivo como o atual. A MAHOGANY conta com colaboradores de longa data; boa parte deles desde a sua fundação, há 18 anos. E é ética e democrática nos seus programas de gestão de pessoas. Uma vez aqui, o funcionário terá direito a planos de carreira e a cursos de capacitação e treinamentos, que estão no DNA de nossa política na área de gestão de pessoas. A cada dia investimos mais no capital intelectual, nas habilidades, conhecimentos e atitude cooperativa. Mas buscamos colaboradores que tenham no conceito de estabilidade a representação de valores sólidos como firmeza, maturidade e segurança.

Para conquistar um cargo importante o caminho é longo, requer perseverança e muita dedicação. A recompensa é o sucesso profissional que dá uma nova direção à vida!
Antes de mudar de emprego a pessoa deve avaliar a troca, se a empresa é sólida, tem experiência suficiente no segmento e o mais importante, se atende às suas necessidades.

Graziele Brunelli, supervisora de Recursos Humanos da Mahogany.

Fonte: Curtos períodos dentro de empresas prejudicam um profissional? | Portal Carreira & Sucesso 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Acesso Rápido

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More